Deus se importa?

Houve um ano horrível em minha vida quando três amigos meus morreram, um após o outro. Minha experiência com a morte dos dois primeiros não me preparou para a morte do terceiro. Não podia fazer nada mais, senão chorar.

Acho estranho, mas me conforta reconhecer que quando Jesus enfrentou a dor Ele reagiu de maneira similar as minhas reacções. Conforta-me saber que Ele chorou quando Seu amigo Lázaro morreu (João 11:32-36). Isto me faz compreender como Deus provavelmente se sentiu com relação aos meus amigos, aos quais Ele também amava.

E no jardim, na noite antes da Sua crucificação, Jesus não orou: “Oh, Senhor, sou tão grato que me escolheste para sofrer em Teu lugar.” Não, Ele experimentou tristeza, medo, abandono e até desespero. O livro de Hebreus nos diz que Jesus bradou “com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte” (5:7). Mas Ele não foi salvo da morte.
Será que é demais dizer que o próprio Jesus fez a pergunta que nos persegue: Deus se importa? Que outro significado poderia ter a Sua citação daquele salmo tenebroso: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Salmo 22:1; Marcos 15:34).

Jesus suportou Sua dor porque sabia que Seu Pai é um Deus de amor, em quem podemos confiar independente das aparências. Ele demonstrou fé de maneira que a resposta final à pergunta Deus se importa? — é um ressonante SIM! —PY

Philip Yancey

Os comentários estão fechados